Copagril realiza testes em Maringá

Teste

Dando sequência a pré-temporada, equipe da Copagril realiza exame Isocinetico em Maringá.
Em breve vamos anunciar datas e adversários de alguns amistosos que devem acontecer antes do início dos jogos oficiais!

Apresentação e entrevista com o goleiro Dalton

Assim como fez em 2013, a Copagril apostou suas fichas em um jovem goleiro para esse ano. É o mais jovem atleta da Copagril contratado para a temporada 2014 ( com excessão dos juvenis pratas da casa ). Trata-se do arqueiro Dalton Loch. Apesar de ter apenas 19 anos, Dalton vem da renomada escola de goleiros de Joinville, onde treina desde os 11 anos. Em 2013, porém, saiu de Santa Catarina, para jogar a liga futsal pelo Maringá. Uma de suas especialidades é a defesa de pênalti e tiro-livre, e isso é comprovado, pois na final do catarinense sub20 de 2011, Dalton defendeu duas cobranças de pênaltis, dando assim o titulo para a equipe que defendia. Vamos conhecer um pouco mais dele.

Dalton

Dalton Antonio Wujanski Loch
Posição – goleiro
Data de nascimento: 17/05/1994 – 19 anos
Naturalidade: Joinville – SC
Altura: 1.83m
Peso: 79kg

Equipes que já defendeu:
Krona – Joinville
Ciagym – Maringá

Titulos:
catarinense sub20 -2011
Catarinense adulto – 2012
Super Liga
JACS
Taça Brasil sub20

1- Como temos feito com todos os novos contratados, queremos saber como você iniciou sua carreira no futsal?
Dalton – Eu iniciei no futsal vindo das categorias de base de Joinville, quanto tinha 11 anos.

2-Na final do catarinense sub-20 em 2011, a partida foi para os pênaltis, sendo que você entrou em jogo para fazer as defesas. Está é sua especialidade?
Dalton – O jogou foi para os pênaltis e o Maneca, nosso treinador, já havia dito durante a partida que eu iria entrar para as cobranças. Sempre treinei defesa de pênaltis e naquela ocasião consegui corresponder, defendendo duas cobranças.

3-Há algum goleiro no futsal, que você se espelha ou admira?
Dalton – O Franklin e o Tiago!

4- A equipe da Copagril sempre foi e é representada por ótimos goleiros, como por exemplo, Diogo, Leo Oliveira, Baranha, Quinzinho, João Neto, etc…como vai ser para você lidar com essa pressão?
Dalton – Com o Diogo, o Baranha e o Quinzinho eu já trabalhei em Joinville são grandes profissionais. Em a cada treino busquei sempre aprender algo com cada um. O Léo Oliveira sei que aqui tem uma grande admiração porém não tive a oportunidade de trabalhar junto, e agora o João Neto que ano passado foi muito bem aqui nos jogos e tô conhecendo durante os treinamentos. Quanto à pressão, encaro com naturalidade, até porque na posição de goleiro a pressão é sempre constante e temos que saber lidar com isso.

5-Você vem para auxiliar os goleiros que aqui estão, ou pensa em brigar pela posição?
Tradicionalmente o professor Marquinhos Xavier faz um rodizio entre os goleiros no decorrer da temporada. Você está preparada caso haja uma oportunidade?

Dalton – Com certeza vou apoiar quem quer que seja. Se for Quinzinho ou o João Neto que estiverem jogando ou até mesmo nos treinamentos, porém, eu realmente venho pra buscar o meu espaço, estou trabalhando me dedicando no dia-a-dia para conquistar a minha oportunidade, e se a oportunidade surgir estarei preparado.

6-Como foi sua decisão de vir para a Copagril?
A decisão de vir para a Copagril foi imediata após eu receber o convite, pois sei que aqui o projeto e sério, desenvolvido por pessoas sérias que nós dão toda a condição dentro e fora de quadra.

7- Como tem sido esses primeiros dias de trabalho com o Ade, treinador de goleiros da Copagril?
Dalton – O trabalho com o Ade está sendo muito bom apesar de que está só no inicio. Já começamos algumas atividades…eu ainda não conhecia mas tinha algumas informações de outros profissionais de mesma área que me disseram estar em boas mãos pois e um excelente profissional.

8-E o que a comissão técnica, jogadores e torcida podem esperar do Dalton?
Dalton – Vou me dedicar e trabalhar para que quando surgir a oportunidade poder corresponder.

Entrevista com o pivô Mancha

Com a missão de ajudar o ataque, a Copagril contratou para a temporada 2014 o experiente pivô Mancha. Jogador que já defendeu grandes equipes do futsal brasileiro, jogou em equipes do Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, e até no Paraná, no Foz Futsal.

Nome: Rodrigo Almeida Ferreira dos Santos
Apelido: Mancha
Posição: Pivô
Nascimento: 23/03/1979 – 34 Anos
Naturalidade: Petropolis – RJ
Altura: 1,79m
Peso: 81kg

Mancha

Clubes que já Defendeu:
Atlantico
Poker
Garça
Foz Futsal
Botafogo
Assoeva

Titulos:
Campeão Estadual RJ
Campeão Carioca
Campeão Gaucho

1 -Como você começou a jogar futsal?
Mancha – Jogo futsal desde os 7 anos de idade.

2- Pode fazer um resumo da sua carreira?
Mancha – Olha minha carreira foi assim: sempre joguei futebol de campo e futsal, desde novo, só q chegou uma hora q tive que escolher e o futsal q me deu mais oportunidades. E estou até hoje e amo o q faço!

3- Qual é seu estilo e jogo?
Mancha – Sou pivô. mas no fico só lá na frente, gosto de flutuar em quadra.

4-Você já jogou com algum atleta que compõe o atual elenco do Copagril?
Mancha – Já joguei com o Alvim e o Maçarico.

5- Qual é o seu sonho como atleta de futsal?
Mancha – Meu sonho e ser campeão da liga futsal.

6- Porque optou em jogar na Copagril em 2014?
Mancha – Optei pela Copagril por vários motivos. Por terem feito um time bom, todas as pessoas que já jogaram aqui e conheço me falaram muito bem daqui. Um projeto sério e por jogar um campeonato bastante competitivo que é o paranaense, além de ter uma estrutura excelente.

7- Qual é a sua meta para essa temporada?
Mancha – Minha meta esse ano (acho q não e só minha meta mas sim de todo o grupo) é chegar na o mais longe possível na liga e disputar a final do paranaense. Ainda tem a Taça Brasil que temos grande chances chegar também. Vamos trabalhar muito pra isso acontecer.

8-Como foi a recepção e os primeiros dias com o grupo aqui em Marechal Rondon?
Mancha – Melhor impossível! Todos me trataram bem, estou bem feliz!

9-Quer deixar uma mensagem para a torcida?

Mancha – Que torçam bastante, porque ali dentro vou dar meu máximo sempre. Grande abraço!

Entrevista com o fixo Arthur

Lidar com pressão nunca foi problema pra ele, afinal, sempre foi mais cobrado por ser filho do lendário técnico PC de Oliveira. Além disso, mesmo sendo atleta da categoria Junior, já atuava em ganhava títulos na categoria adulto, como se não bastasse, jogou por 4 temporadas no Corinthians, onde sabemos que a pressão e cobrança por parte da torcida, fazem parte do cotidiano. Estamos falando do jovem fixo Arthur, que chega em Marechal Rondon para compor o sistema defensivo da equipe ao lado dos experientes Marcelo Paulista e Marlon. Arthur pode ser definido com um atleta dedicado, habilidoso e disciplinado, tanto é que nas duas ultimas edições da liga futsal, atuou em 50 partidas não sendo expulso nenhuma vez, marcando 12 gols na competição nacional.

Arthur

Nome: Arthur Barasuol de Oliveira
Posição: Fixo
Nascimento: 30/07/1990 – 23 anos
Naturalidade: Caxias do Sul – RS
Altura: 1,81m
Peso: 80kg

Equipes que já defendeu:
Cepe – RS
Ulbra – RS
Praia Clube – MG
Corinthians – SP

Titulos:
– Metropolitano (06,10)
– Jogos Abertos MG (09)
– Taça Brasil (10)
– Brasileiro de Seleções Sub-20 (10)
– Campeonato Estadual Sub-20 (10)
– Campeão Paulista A1(2013)

1-Como você iniciou no futsal?
Arthur- Comecei muito cedo, sempre estive dentro das quadras, mas eu comecei a levar o futsal a sério mesmo com 14 anos, quando o “Pipa” (treinador futsal gaúcho) me viu jogando futsal em Canoas, no Rio Grande do Sul, e me convidou para fazer um teste no CEPE (Clube dos Empregados da Petrobras).

2-Você tem algum ídolo no esporte?
Arthur- Tenho sim, joguei três anos com o fixo Indio e me identifiquei muito com ele. Um atleta extremamente profissional e multicampeão, um exemplo dentro no nosso esporte.

3-Como é o Arthur fora das quadras? Qual é seu passatempo, tem algum hobby?
Arthur – Eu sou um cara muito tranquilo e reservado, valorizo muito a minha família, minha namorada e meus amigos. Gosto de passar o meu tempo livre com eles e quando não posso, gosto muito de videogame.

4- Nos últimos anos você vinha jogando numa das melhores equipes do Brasil, como você avalia sua passagem pelo Corinthians?
Arthur – Passei quatro anos no Corinthians, aprendi muito por lá e foi aonde eu consegui os títulos de maior expressão da minha carreira. Tive uma passagem muito boa e vitoriosa, mas sobretudo, ganhei muita experiência.

5- Como era ser treinado pelo seu pai, o grande PC de Oliveira?
Arthur – Ele dispensa comentários, todos sabem da sua qualidade como treinador. Para mim foi excelente, pois fui treinado por um dos melhores treinadores do futsal mundial.

6- O que lhe motivou a fechar contrato com a Copagril Futsal?
Arthur – Eu já havia conversado com a diretoria da Copagril no início de 2013, infelizmente naquela ocasião nós não conseguimos entrar num acordo, porém, sempre deixamos as portas abertas para uma eventual contratação no futuro.
Sempre soube que a Copagril possuía uma das melhores estruturas do nosso país, ficava em um local muito bom para trabalhar e contava ainda, com uma cidade apaixonada pelo esporte.

7- Qual é a expectativa para a temporada 2014?
Arthur – As expectativas são sempre as melhores possíveis. Venho para somar e dar continuidade ao trabalho que vem sendo feito nos últimos anos. Chego em uma equipe campeã, portanto a cobrança não vai ser pequena e nem poderia, a diretoria juntamente com a torcida vão esperar sempre mais títulos e esse ano promete ser só de alegrias para todo mundo.

Entrevista com Marcelo Paulista

Na temporada de 2013, a defesa da Copagril tinha nome: Marcelo Paulista! Como toda sua experiência, técnica e raça, Marcelo, assim como a maioria de seus companheiros, se encaixou perfeitamente no estilo de jogo do professor Marquinhos Xavier e desempenhou um papel fundamental no setor defensivo da equipe. Quem não lembra dos jogos que vencemos o Intelli – Orlandia, onde Marcelo anulou o Jé, um dos melhores pivôs do mundo? Como se não bastasse, ele ainda foi autor de gols importantíssimos, em momentos cruciais na temporada passada. De contrato renovado, recuperado das lesões, e ansioso pela disputa interna que terá com seus novos companheiros de equipe, Marcelo nos concedeu essa entrevista.

Marcelo

1- Em 2013 nasceu o seu filho Felipe, e você foi campeão da Chave Ouro? Foi um dos melhores anos da sua vida?
Marcelo Pta – Com certeza 2013 foi marcante. Nasceu meu filho tão sonhado no começo do ano, completando a família e ao final o título paranaense, um ano maravilhoso.

2- Como foi sua adaptação à cidade e ao esquema de trabalho do professor Marquinhos Xavier?
Marcelo Pta – Com relação a cidade foi bem fácil, principalmente pela receptividade de todos e o fator de estar com minha família. Já pelo lado do Marquinhos Xavier obtive muitas informações a respeito de seu trabalho de ex-atletas e a resposta foi a mesma de todos :gosta muito do trabalho bem feito ,sempre buscando a perfeição. Isso foi um fator determinante para minha vinda ano passado, pois acredito que o resultado só vem com muito esforço.

3- Em algumas partidas você teve atuações memoráveis, anulando completamente os pivôs adversários. Qual partida você elege como a que melhor atuou durante a temporada?
Marcelo Pta – Acho que o jogo contra a Intelli de Orlandia ,saímos com vitória e acredito que minha contribuição foi bem importante marcando o melhor pivô no momento.

4- Na sua opinião, quem foram os pivôs mais difíceis de serem marcados em 2013?
Marcelo Pta – Vários jogadores deram muito trabalho, mas vou citar três :Jé , André Maluko e o nosso novo companheiro, Daniel.

5- Além da força na marcação você se mostrou um bom artilheiro, tendo feito 7 gols na liga e 3 na chave ouro, sendo que um deles foi o primeiro, o gol de empate contra o Umuarama na semi-final. Essa já era uma característica sua ou é fruto do esquema tático da equipe? Aquele contra o Umuarama foi o mais importante?
Marcelo Pta- O esquema de jogo ajuda muito. Passei por equipes em que fiz muitos gols em outras não, dependendo da liberdade que é passada à mim. Acredito que dois gols foram fundamentais: o primeiro gol, de empate contra o Guarapuava pela liga que nos garantia a classificação as quartas e o de Umuarama, 30 segundos após sofrermos o 1 gol deles, a torcida colocando uma pressão bem forte empatamos com aquele chute de trás .

6- Durante a temporada, você ficou afastado por algumas partidas em virtude de uma lesão na sola do pé e outra no tendão de aquiles. Você está 100% recuperado?
Marcelo Pta – Foram momentos difíceis. A lesão no pé, onde eu mal conseguia pisar e depois uma lesão no tendão posterior por conta de um escorregão na quadra escorregadia. Mas me recuperei bem vale ressaltar o trabalho do Fisioterapeuta Thiago, que me recuperou nos dois casos antes do previsto.

7- Infelizmente você não pôde jogar a final por estar cumprindo suspensão automática, como foi pra você assistir o jogo da arquibancada?
Marcelo Pta – Foi terrível não poder ajudar ainda mais no momento da decisão. Mas nosso time do ano passado tinha uma marca: o compromisso um com o outro ,uma união pouco vivida nesses anos todos que jogo futsal e sempre que tínhamos alguma adversidade a equipe crescia.

8- Na temporada passada, você foi muito exigido e por vezes, jogou praticamente o jogo todo quase sem ser substituído. Para 2014 a Copagril trouxe outros nomes fortes para a sua posição. A tendência é que a briga pela posição seja intensa. Como você avalia essa situação?
Marcelo Pta – Muito bom para a equipe, pois quanto mais forte o grupo mais chance temos de conquistar títulos. Lógico que quero ter meu espaço e vou brigar por isso, mas a Copagril em primeiro lugar! O importante são os resultados favoráveis a nossa equipe.

9- A Copagril contratou o pivô Daniel, que tanto lhe deu serviço em 2013. É um alívio saber que nessa temporada vocês vestirão a mesma camisa?
Marcelo Pta- O Daniel era um jogador muito importante no esquema de jogo do Cascavel ,sempre incomodando muito a gente. Com certeza, pela sua qualidade irá nos ajudar muito. 2014 será um ano de muitas competições importantes, com certeza vamos entrar para disputar todos os títulos e para isso precisamos de força máxima.

10- Qual é sua expectativa e o que a torcida por esperar do Marcelo Paulista em 2014?
Marcelo Pta – Podem esperar a mesma garra e o respeito com todos os envolvidos . Garanto à vocês, Copagril, patrocinadores, colaboradores e ao nosso torcedor, determinação nunca vai faltar de minha parte!

Camisa 2014

Na noite de ontem, 30/01, durante a solenidade de apresentação da equipe para esta temporada, foi apresentada também os uniformes que serão usados em 2014. O que vocês acharam?

CamisaFoto:Aquiagora

Copagril/SempreVida faz o primeiro trabalho com bola na temporada 2014.

treino

Na manhã desta quinta-feira, 30/01 o elenco da Copagril/SempreVida fez o primeiro trabalho com bola da temporada no ginásio Ney Braga. Complementando o trabalho de condicionamento físico, o professor Marquinhos Xavier comandou um treino de transição, defesa/ataque e recomposição em alta velocidade. Logo mais, à noite o elenco será apresentado oficialmente aos patrocinadores, imprensa e apoiadores.